ALOCUÇÃO DE DOM JOSÉ MAURO

– Ao início da Missa, durante a Assembleia Geral da CNBB, aos 22/04/2012 –

Por graça e misericórdia de Deus, é me dada a oportunidade, como Bispo emérito, de recordar minha participação no Concílio Ecumênico Vaticano II, de 11 de outubro de 1962 a 08 de dezembro de 1965, em períodos que se sucederam durante os meses de setembro a dezembro, também, nos anos de 1963 e 64.
Ordenado Bispo de Iguatu em janeiro de 1962, com 36 anos de idade, 13 de sacerdócio, dei início ao ministério episcopal a 4 de fevereiro daquele ano. Conduzindo a Diocese de Iguatu por 38 anos, renunciei aos 75 anos ao ministério episcopal, a 26 de julho do ano 2000, no encerramento da Festa de Senhora Sant’Ana, Padroeira de Iguatu.

O Concílio Ecumênico Vaticano II foi o imenso dom do papado de João XXIII. Eleito aos 77 anos, muitos pensavam que ele seria um Papa de passagem, por conta da idade avançada. Sucessor de Pio XII, surpreendeu o mundo com a convocação do Concílio Ecumênico Vaticano II. Aos jornalistas, a que concedeu audiência, explicou o que significava o Concílio que anunciara: naquela ocasião, caminhou até a janela da sala de audiência, abriu-a e deu-lhes o significado – aggiornamento, vento novo, resposta ao dia-a-dia da Igreja.

Havia uma expectativa em toda comunidade eclesial, esperando mudança, e o Concílio Ecumênico, presentes milhares de bispos do mundo inteiro, ofereceu-lhes oportunidade de expressar as aspirações de suas Igrejas. Homens e mulheres, cristãos leigos, começaram a preencher espaços pastorais, até então não ocupados; novos ministérios e serviços, novas maneiras de responder a atividades pastorais, de setores, como: família, juventude, meio universitário; ao mesmo tempo em que comunidades cristãs do meio rural e das periferias das cidades iniciavam novas modalidades de ação, em resposta às múltiplas exigências da vida cristã, em seu ambiente.

Tenha-se em mente a Celebração da Palavra, a existência das Comunidades Eclesiais de Base, oferecendo às lideranças responder às exigências de ordem pastoral e social. E o que dizer do que representou o uso da língua vernácula, oferecendo o conhecimento mais direto da Palavra de Deus, na Missa e demais Sacramentos, preparando o encontro de intimidade maior com Jesus Cristo, na Eucaristia?

Eu costumo dizer que o Concílio Ecumênico ensinou-me a ser Bispo, dispôs-me profundamente a colocar à disposição da Igreja minhas energias. O que dizer ainda do uso dos meios de comunicação da palavra falada, rádio e televisão, e escrita, boletins, jornais, postos à serviço da evangelização? É essa a minha visão e foram essas as experiências que tenho vivido até hoje, a partir do Concílio Ecumênico, que lhes passo, irmãos e irmãs, que modestamente lhes comunico, no pequeno espaço de tempo, que ora me foi dado.
Obrigado!

Transcritor: Pedro Lucas Teixeira Mendes.
Revisor: Prof. Osmar Lucena Filho.

1 comentário em “ALOCUÇÃO DE DOM JOSÉ MAURO”

  1. De todo louvável a iniciativa de Pedro Lucas, seminarista maior de nossa Diocese, ao registrar, no site, as belas e inspiradas palavras de Dom Mauro, proferidas em Aparecida, evocadoras da participação do 1º Bispo Diocesano de Iguatu no Concílio Ecumênico Vaticano II.

Deixe uma resposta