PE. ALOISIO KLUR, SF

Spread the love

DIOCESE DE IGUATU – MEMÓRIA PELOS CAMINHOS DA HISTÓRIA
PE. ALOISIO KLUR, SF
IN MEMORIAM

(*Hunsbor, Alemanha, 28 de novembro de 1910 + Fortaleza-Ce, 20 de setembro de 1978).

Aiuaba, palavra derivada do tupi, que significa “bebedouro”, vê-se encravada geograficamente nos Sertões dos Inhamuns; é sede de Paróquia desde 1968, tendo, portanto, já ultrapassado, seu jubileu áureo de instituição canônica.

No decurso da década de 1970, encontrava-se à frente daquela comunidade paroquial o Pe. Aloisio Klur, de origem alemã, nascido em Hunsborn, em 28 de novembro de 1910.

Sacerdote do clero religioso – membro dos “Missionários da Sagrada Família” – Pe. Aloisio incorporou-se à equipe de padres alemães que veio para o Brasil, à volta das décadas de 1950 e 1960.

Em nossa Diocese, é de se constatar os bons serviços ministeriais de vários sacerdotes da
Sagrada Família, com forte atuação na região dos Inhamuns, de que podemos recordar ainda estes levitas: Pe. Geraldo Slag e Pe. João Sticker.

Preparara-se Aloisio Klur para o sacerdócio em sua terra natal, cursando, assim, o Seminário menor nas cidades de Oberhunden e Lebenhan, e o Seminário maior em Grave (Holanda) e Havengiersburg (Alemanha).

Recebeu a ordenação presbiteral em 6 de agosto de 1938, em Treveris, na Alemanha.

No velho Anuário da Diocese de Iguatu, publicado em dezembro de 1973, para assinalar a passagem do Jubileu sacerdotal de Prata de Dom José Mauro, 1* Bispo de Iguatu, encontramos estas notas sobre a pessoa e atuação de pastor, do Pe. Aloisio Klur: ” (…) Pe. Aloisio Klur, um simpático e bondoso padre alemão, que exerce com dedicação e esforço missionário a Paróquia de Aiuaba (…) .

NA AIUABA DOS ANOS 1970

Eis, na definição do Pe. Aloisio, estampada na mesma fonte, isto é, no Anuário da Diocese/1973, um “retrato” da Aiuaba daquela época, 46 anos atrás: “Para ser Vigário aqui é preciso ter mesmo fé em Deus. Na seca, a alma da gente sofre com o espetáculo doloroso da fome, da miséria, do desemprego e até do subemprego, pois os rios e riachos se transformam em várzea estéril e improdutiva; no inverno, com a terra molhada, o campo verde, os rios e riachos transbordam, cobrem as estradas, e nós ficamos sem contato com o mundo.”

Continua o autor das linhas sobre o Pe. Aloísio, publicadas no Anuário, a que nos reportamos tantas vezes já: “Esse ́nós’, dito com ênfase, significa uma espontânea adesão do Pe. Aloisio aos sofrimentos e glórias do sertão, de vez que ele se encontra profundamente integrado no espírito da Comunidade, participando ativamente de todas as iniciativas postas em prática para que o homem possa receber, com mais frequência, a Palavra da Fé, as luzes da Doutrina Social da Igreja, em todas as suas facetas e ângulos.”

É sabido que o Apostolado desenvolvido pelo Pe. Aloísio Klur em Aiuaba contemplou uma série de iniciativas desencadeadas em campos os mais variados, de que podemos elencar, nesta nota “in memoriam” do supramencionado sacerdote, estes: Educação e Assistência social.

MELHORIAS NA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO

Pe. Aloisio não se esqueceu de melhorar o aspecto físico da vetusta matriz paroquial,reformando-lhe o altar-mor, conforme se vê deste registro: “A Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, padroeira de Aiuaba, foi totalmente reformada, pintada e teve o seu altar-mor todo modificado, graças ao trabalho exaustivo realizado pelo Pe. Aloisio Klur. Um dos aspectos curiosos deste altar, é que ele é todo revestido de ametistas, topázios e quartzos, extraídos de minas existentes no município e até então – ndr: 1973 – completamente inexploradas. (…) E o povo da cidade nem ao menos tomou conhecimento das reservas magníficas de Aiuaba no setor mineral, mormente em cristais de rocha.” (Cf. Anuario da Diocese de Iguatu – 1973 – página 41).

20 DE SETEMBRO DE 1978 : PE. ALOISIO ADORMECE PLACIDAMENTE NO SENHOR

No dia 20 de setembro de 1978, aos 68 anos de idade, em Messejana, Fortaleza, na presença
de seus irmãos de hábito, os padres Geraldo Slag e Tarcísio Weber, o Pe. Aloisio deixou o cenário deste mundo, adormecendo placidamente no Senhor.

Paz à sua alma!

Pesquisa e texto: Osmar Lucena Filho (Paróquia de Piquet Carneiro)
Fontes de pesquisa: Anuário da Diocese de Iguatu (1973), Boletim da Diocese de Iguatu(1978), Folha do Sertão (2010).

2 comentários em “PE. ALOISIO KLUR, SF”

  1. Eu ainda era só uma criança, tinha menos de 10 anos de idade,mas me lembro muito bem daquele dia que marcou nossas vidas. Estávamos na comunidade Fazenda nova no município de Aiuaba. Não lembro o nome do padroeiro da capela,mais lembro bem que Padre Aloísio iniciava o casamento do meu irmão quando passou mal,e bem ali na minha frente, ele firmou seu olhar nos meus olhos,não entendi afinal, eu era só uma criança inocente. Mais nunca esqueci aquela cena, hoje mais amadurecida na fé entendo aquele momento,acredito que ele queria dizer algo não sei,ou apenas me olhou por eu ser uma criança e ele sabia que Deus está sempre presente no coração inocente de uma criança. “Desculpe a ousadia” é só meu pensamento para tentar entender o que testemunhei no alge da minha infância. Hoje sou católica praticante,assumo alguns chamados do Senhor aqui na paróquia se Santa Ana diocese de Parnaíba Piauí. Há! Meu irmão e minha cunhada casaram se dias depois,visto não ter sido possível o saudoso Padre concluir o matrimônio. Deus seja louvado pela vida do Padre Aloísio dedicada a minha paróquia Nossa Senhora do Patrocínio em Aiuaba, minha terra natal. Obg pela homenagem aqui prestada

  2. Muito bem, Davinha Neves!
    Devo lhe dizer que seu comentário é de suma importância para a recordação da vida e do apostolado do Pe. Aloísio.
    Em união de preces!

    Osmar

Deixe uma resposta