Governador Elmano de Freitas (PT) assina decreto de tombamento do Sítio Histórico do Patu, resgatando memórias e reconhecendo o crime contra a humanidade

O governador Elmano de Freitas (PT) oficializou, nesta segunda-feira (27), o decreto de tombamento do Sítio Histórico do Patu, localizado em Senador Pompeu. O reconhecimento unânime ocorreu em agosto de 2022, no Conselho Estadual de Preservação de Patrimônio Cultural do Ceará (Coepa), na Biblioteca Pública do Ceará. Completando 90 anos no ano passado, o espaço já era considerado patrimônio histórico-cultural em nível municipal.

O processo de tombamento foi agilizado graças à colaboração entre o Governo do Estado, IFCE, gestão de Senador Pompeu e Assembleia Legislativa do Ceará. O Sítio Histórico do Patu, um antigo campo de concentração de retirantes da seca, agora é reconhecido como patrimônio histórico e artístico do Ceará.

Ao anunciar a assinatura do decreto, o governador destacou a importância não apenas da preservação do Sítio Histórico, mas também da relevância das histórias de vida das pessoas que estiveram lá durante a seca de 1932. Elmano de Freitas ressaltou que o tombamento é um reconhecimento do crime contra a humanidade, especialmente contra os mais pobres.

Em 2022, os deputados estaduais aprovaram um projeto de lei que reconhece a relevância histórica e cultural da Vila dos Ingleses, conhecida como Sítio Histórico do Campo de Concentração do Patu. O local já havia sido considerado patrimônio histórico-cultural em nível municipal em junho de 2021. Dos campos de concentração erguidos no Estado, o de Senador Pompeu é o único que ainda possui edificações, com um canteiro de obras contendo 12 casarões, 160 casas de taipa e três casas de pólvora. Estima-se que cerca de 12 mil pessoas tenham perdido a vida, representando mais da metade dos concentrados.

No âmbito das ações de preservação, o Casarão da Inspetoria teve o início da restauração do telhado neste ano, sendo uma conquista através de emenda parlamentar. 

O importante envolvimento da Diocese de Iguatu

Dom Geraldo fala sobre a 41a. Caminhada da Seca

A igreja católica, especialmente a Diocese de Iguatu, desde a época do hoje bispo emérito Dom Edson de Castro Homem, esteve ativamente envolvida, junto com as CEBs, a paróquia de Senador Pompeu e outros colaboradores diocesanos, incluindo o advogado e historiador Valdecy Alves. Dom Edson enviou mensagem manifestando sua alegria. Disse ele: “Que bom que aconteceu! Alegro-me com o tombamento. Era o que queríamos.” Finalizou.

Padre Gilberlândio destaca o crescimento da Caminhada da Seca

O atual bispo da Diocese de Iguatu, Dom Geraldo Freire Soares, assumiu a continuidade também envolvendo-se pessoalmente nesta causa que hoje é reconhecida com o tombamento. Para Dom Geraldo “é um momento de alegria e reflexão.” Anualmente, eventos como a Caminhada da Seca e a Romaria das Almas da Barragem do Patu testemunham a devoção e agradecimento por graças e milagres alcançados, marcando a 41ª edição dessas celebrações que começaram com o padre italiano Albino Donati, e reúnem fiéis de diversas cidades e até do exterior.

Paróquia de Nossa Senhora das Dores realiza 41ª edição da Caminhada da Seca em Senador Pompeu-CE

Série de reportagens de Marcelo Auler para o Jornal do Brasil “CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO” CEARENSES PRECEDERAM AOS DE HITLER

 

Deixe um comentário