19 de novembro de 2016

REINA A MISERICÓRDIA

A Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo conclui o Ano da Misericórdia. Fecha-se a Porta Santa em Roma. Festeja-se a “diocesaneidade” com a mesma temática condutora das atividades do ano: as peregrinações às igrejas do Jubileu, as novenas dos padroeiros, as caravanas da misericórdia com a oferta da confissão sacramental às Comunidades. Desse modo, o clero favoreceu as populações distantes.

Segundo o Evangelho de Lucas, antes de morrer, por mais paradoxal que seja, Jesus começa seu reinado na cruz: “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso” (Lc 23, 43). Entretanto, o evangelista nos descreve um cenário semelhante a uma paródia de investidura régia ou messiânica: um rei crucificado entre dois ladrões. Nada de glorioso ou de triunfante. Nada consentâneo com a dignidade real. Tal investidura, indicada na inscrição da cruz: “Este é o Rei dos judeus” (v. 38), acontece em um cerimonial burlesco de zombarias e de ultrajes (vv. 36-37.39). Nunca se viu semelhante cerimonial de entronização e de coroação.

Os chefes e os soldados provavelmente aceitariam a realeza de Jesus, se Ele manifestasse seu poder de descer da cruz, pois caçoavam exigindo: “Se és o rei dos judeus, salva a ti mesmo”. (v. 37). Um dos malfeitores também o insultava: “Não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós” (v.39). O problema está posto em sua verdade nua e crua: como reconhecer a messianidade e a divindade de um rei crucificado?

A comunidade cristã primitiva respondeu ao impasse ou ao escândalo, a partir da experiência das aparições, do encontro com o Jesus vivo, ressuscitado. Entretanto, a experiência pascal integra, não descarta nem alivia, o impacto e o paradoxo da cruz. O próprio Lucas põe a dificuldade, no diálogo dos discípulos de Emaús, decepcionados: “nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Nós esperávamos que fosse ele quem iria redimir Jerusalém…” (24, 20-21).

Jesus não rejeita a morte de cruz. Aceita-a livremente diante do Pai. Com ela, assume tudo o que em si ela comporta de humilhação e de desprezível, que os insultos e deboches ilustram ou corroboram. São Paulo aprofunda tal dimensão humilhante da crucificação, em toda sua crueza, ao dizer, de muitos modos, que Jesus “se esvaziou de sua condição divina” para assumir o que Ele não é: rico se fez pobre, senhor se fez servo, abençoado se fez maldito, santo se fez pecado. Assumiu o que nos avilta e rebaixa para que reinássemos com Ele. Por amor solidário a nós em extrema misericórdia.

O bom ladrão conhecido como Dimas, ao repreender o outro, reconhece que Jesus é o Justo Sofredor: “Quanto a nós, é de justiça; estamos pagando por nossos atos; mas ele não fez nenhum mal” (41). Também o centurião pagão atesta: “Realmente, este homem era um justo” (v. 47b). No entanto, a Dimas coube bem mais. Usufruiu da realeza do Crucificado, por ter implorado: “Jesus, lembra-te de mim, quando vieres com o teu reino” (v.42).

Dimas representa a humanidade, pecadora e redimida, que crê e acolhe a Jesus o qual expressa seu senhorio régio, garantindo a misericórdia sobre a justiça, a felicidade sobre o sofrimento, a glória sobre a desonra, a vida sobre a morte; enfim, o paraíso celeste definitivo sobre o paraíso terrestre passageiro.

Terminando o Jubileu do Ano da Misericórdia, é bom contemplar o Crucificado e redescobrir o sentido do seu senhorio de amor que abraça a todos e alcança até os mais distanciados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *