DIOCESE DE IGUATU
30 de dezembro de 2017

VOTOS DE PAZ EM 2018

Inicia-se o ano novo, com o olhar para a Santa Mãe de Deus, Maria. Ela oferece ao mundo Jesus Cristo, “nossa paz” (Ef 2, 14). Não haveria ocasião melhor para um dia mundial dedicado à paz. Entende-se por que Paulo VI instituiu o primeiro dia de janeiro para reinaugurar cada ano, dentro do clima natalino-mariano da Oitava, o esforço coletivo, pessoal e universal, pela pacificação das mentes e dos corações. Ele disse: “A paz é possível”.  Brindemos, pois, a paz!

 Diante das atuais hostilidades contra o direito dos povos, a inviolabilidade das pessoas, as diferenças e à liberdade de crença e de expressão, diante de famílias expulsas de suas terras, de crianças órfãs perdidas e de grande número de refugiados, Papa Francisco chamou de “terceira guerra em pedaços” os conflitos sangrentos e suas tragédias que pipocam por toda parte.

Quem está em guerra ou sofre suas duras consequências, em ruínas ou em fuga da morte, sem rumo e sem futuro, para conservar sua vida e dos seus familiares, conhece na pele a fragilidade e o valor inestimável da paz e da concórdia.  

 A concórdia no mundo se cultiva com a política e a diplomacia e a educação para a paz e o desarmamento. É tarefa árdua e inacabada porque sempre há os fazedores de guerras e fomentadores dos conflitos. Pessoalmente, a paz é cultivada com a gentileza, no respeito e no cuidado mútuo, como se faz com a planta tenra e delicada. É tecida com arte, em ato contínuo e progressivo, fruto amadurecido da “cultura do encontro”, no dizer do Papa Francisco.

São Tiago afirma: “O fruto da justiça semeia-se na paz para aqueles que praticam a paz” (3,18). Quer dizer:  é artesanal, fabricada com a mente e as mãos, espalhada por semeadura. A mão que agride, pode ser a que acaricia, assim como a que arranca é a mesma que planta. Mesmo quando acolhida na fé por ser dom de Deus, a paz é promovida e sustentada com o empenho de obras de justiça, de amor, de perdão e com dosagens de tolerância. Logo, paz se faz.

As Escrituras apresentam lutas e guerras, derrotas e conquistas e vitórias. Diante disto, Saramago, romancista português, avaliou a Bíblia com severidade: um livro violento. Pela descrição da ira divina, até a imagem de Deus não fica imune. Entretanto, só em parte o escritor tem razão. Em meio a tantos males e mortes, mesmo de inocentes, os Livros Sagrados nos apresentam o Deus do amor e da paz e da ternura a apostar na livre cooperação humana, criatura feita a sua imagem e semelhança. Entra em jogo a liberdade estimulada, mais do que limitada, pelos mandamentos da Lei e a Regra de Ouro: “Como quereis que os outros vos façam, fazei também a eles” (Lc 6,31). O direito e a justiça se tornam a chave bíblica da paz.

 Devido à liberdade responsável, conquista pessoal e social, ou civilizatória, precisamos de um código de ética e moral.  Assim diz o profeta: “A justiça produzirá a paz e o direito assegurará a tranquilidade” (Is 32,17). Portanto, das Escrituras decorrem uma ética da paz. Do Magistério da Igreja também. Há mais de um século, os papas elaboram documentos e lideram ações em prol da paz universal, do respeito à dignidade da pessoa humana e do direito de autonomia das nações.   A Doutrina Social da Igreja é uma contribuição católica para a concórdia entre os povos. Em primeiro de janeiro, a Mensagem de Paz do Papa é dirigida aos governantes das nações e seus diplomatas e a toda a Igreja. Peçamos a Deus por meio de Cristo pela paz   

                                                          ******************

DESEJO-TE UM ANO DE 2018 COM PAZ E HARMONIA E PROSPERIDADE, NA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E SOCIAL, COM A DESEJADA BÊNÇÃO DE DEUS EM CRISTO JESUS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *