DIOCESE DE IGUATU
28 de novembro de 2017

TRIBUTO A DOM JOSÉ

Há uma referência elogiosa a Abel que ofereceu a Deus um sacrifício melhor que o de Caim, seu irmão. É o elogio de sua fé pela qual foi declarado justo. O próprio Deus apresentou o testemunho de seus dons pelo apreço em acolhê-los. Graças à fé, mesmo depois de morto, Abel ainda fala (Hb 11,4).

O mesmo se diga de Dom José, o segundo Bispo da Igreja Diocesana de Iguatu. O morto ainda fala. Ofereceu pelo testemunho da fé sua existência a Deus, seguindo Jesus Cristo, impulsionado pelo Espírito Santificador, como cristão, sacerdote e bispo. Sua fé paulina por ser “operosa pela caridade” e ungida pela esperança é sua pregação ressoante no tempo.

Na conclusão pela qual a morte coroa a vida, sua existência íntegra, doada à Igreja de Cristo e ao amor pelos irmãos, na patena do seu ofertório diário a incluir a doença progressiva e fatal que o fez calar, sua coerência e fidelidade se atestam. O morto ainda fala.

A construção da Sé Catedral de São José, monumento dado à Cidade e à Diocese fala.  Projetou-a, pessoalmente, desde a mente. Elaborou os detalhes com as mãos e os dedos de artista e de artesão. Minuciosamente. Fruto de decisão invencível, apaixonada. Porém, refletida. Capaz de enfrentar oposições ferrenhas entre outras adversidades como a escassez de recursos.  Pétreo tal qual sua cidade natal, Pedra Branca, da qual é filho ilustre. Firme quanto preciso. Suave na execução.  Por tudo, fala e diz.

Toda personalidade é única. A dele, presente na arte, pela obra em madeira espalhada, em tantas igrejas, no inconfundível estilo dothiano. Fala, pois, seja nos altares seja nos ambões. Difundiu-se. Deixou seguidores. Marca a capela da residência episcopal.

As imagens de Nossa Senhora de Lourdes e do Santo de seu onomástico, por vários ambientes espalhadas, igualmente falam da fidelidade às devoções.

Seu lema episcopal “com Maria, mãe de Jesus” fala de seu projeto episcopal. Extraído dos Atos dos Apóstolos, em novena de Pentecostes, diz que, enquanto sucessor dos apóstolos, à semelhança deles e em estreita união mariana, aguardaria do Pai o Espírito da promessa de Jesus, em atitude contínua, para bem governar e melhor servir a Igreja aos seus cuidados.    

Enfim, Dom José repousa de suas fadigas porque suas obras o seguem (cf. Ap 13, 13). Fadigas e obras, juntas, do mesmo modo ainda falam.

Fechados os olhos para este mundo que ajudou a melhorar, para sempre os abre na visão beatífica. Contempla no céu o que vislumbrou na terra, o Mistério da vida. Agora, diz para nós desde o definitivo, o que falou na precariedade do tempo. Aguarda conosco a vitória do último inimigo. Ele nos espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *