A VOZ DO PASTOR

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 718

Sábado, 15 Julho 2017 10:50

Regeneração da Política

Avalie este item
(0 votos)

 A prolongada crise política e econômica pela qual passa o Brasil explica-se, em grande parte, pela falta de ética no encaminhamento dos recursos públicos, devido à corrupção e à roubalheira.

Consiste na prevalência de interesses individuais, corporativos e empresariais sobre o bem comum da Nação Brasileira e de seus cidadãos. Escancara, lamentavelmente, a degeneração da política, desde sua falsificação pela politicagem, isto é, demagogia e populismo, até o enriquecimento ilícito dos que exercem poder decisório.

A política suja ou degenerada é o oposto da política limpa e nobre, tão necessária para manter instituições justas e eficientes. A beleza do sentido ético desta política é que fez com que Paulo VI a idealizasse como sendo a “alta expressão da caridade”, virtude cristã por excelência. O Papa se referia à política no seu sentido originário, isto é, aquela que só visa ao bem comum dos cidadãos. Desta nobilíssima política, o Brasil anda muito precisado e de lideranças representativas autênticas.

A oração, ao expressar a vontade da boa política, no sentido ético, segundo o direito e a justiça, é uma constante na Palavra de Deus contida em vários textos bíblicos. Quem pede, sabe o que deseja e colabora com o que pede. Compromete-se. Eis o significado da súplica de teor político na Bíblia.

O grande líder, Moisés, o legislador, foi intercessor. Pediu a Deus em favor de sua gente a ser conduzida por 40 anos até a terra da promessa. Disse na sua súplica: “Peço-te, caminha conosco; embora este povo seja um povo de cabeça dura...e toma-nos como tua herança” (Ex 34,9). Não olhou tanto para si mesmo, pois era líder e sabia contemplar sua gente e vê-la, adiante, em futuro promissor.

 Salomão, o rei sábio e justo, fez a oração do autêntico político que entende a si mesmo com o bem de seus governados. Disse: “Dá, pois, a teu servo um coração que escuta para governar teu povo e para discernir entre o bem e o mal, pois quem poderia governar teu povo, que é tão numeroso? ” (1 Rs 3,9).

Igualmente, o próprio povo ao celebrar sua fé e esperança, salmodiava em prece, idealizando um rei messiânico cujo modo de exercer o poder resumiria em si as melhores expectativas: “que ele governe teu povo com justiça, e teus pobres conforme o direito” (Sl 72(73), 1).

O apóstolo Paulo propôs uma oração política universal quando exorta: “Eu recomendo, pois, antes de tudo, que se façam pedidos, orações, súplicas e ações de graças, por todos os homens, pelos reis e todos os que detêm a autoridade, a fim de que levemos uma vida calma e serena, com toda piedade e dignidade” (1 Tm 2, 1). A seguir, expressa sua boa vontade com determinação: “Quero, portanto, que os homens orem em todo lugar, erguendo mãos santas, sem ira e sem animosidade” (v. 8).

 Enfim, a oração do Pai-nosso, a melhor de todas, sintetiza os pedidos de Jesus Cristo para instaurar o Reino que venha a nós. É toda ela referente à nobre política da realização dos bens sociais, pois, o Pai é comum, o pão é nosso, o perdão é pacificador, a tentação é superada e o mal é afastado. Maravilha!

Gestos e palavras de Jesus, embora apartidário, igualmente ensinam-nos muito sobre a construção social na fé e na caridade, abertas à esperança da pátria definitiva. Há, inclusive, uma atitude que, para muitos, demonstra amor patriótico, embora seja bem mais do que isto. Chorou sobre Jerusalém. Na ocasião, disse-lhe: “Ah! Se neste dia também tu conhecesses a mensagem de paz! ”  (Lc 19, 42). Diante da cegueira e da rejeição de Jerusalém por causa de suas lideranças, só restava a Jesus anunciar a ruína iminente. Porém, a lamentação não deixou de incluir um aceno discreto à possibilidade da paz.

 O Brasil precisa ver sua política higienizada. Para tão ampla urgência, não há fórmulas mágicas e milagrosas de salvação. Por isso, rezar pelo Brasil é suplicar ao Senhor das nações tão somente que nos ajude na empreitada, que é nossa, e é de interesse coletivo. Permita-nos, pois, em sua luz divina descobrir as reservas humanas (e materiais) de superação para a retomada de reformas inadiáveis. Portanto, orar pela Pátria é comprometer-se com o Brasil real, não com o “oficial”. Ainda mais: Se rezo pela política saneada, tenho eu mesmo de apreciar a honestidade e, acima de tudo, ser honesto (a).

Lido 157 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Receba Notícias no E-mail

Cadastre seu e-mail e receba informações da Diocese de Iguatu

A Diocese de Iguatu

A Diocese tem uma dimensão territorial de 29 mil quilômetros quadrados, contento neste território 19 municípios, em sua circunscrição. Com uma população existente de 381 mil habitantes, residente em 67 mil domicílios, sendo destes domicílios 19 mil na zona urbana e 48 mil na zona rural.

Facebook

Search