DIOCESE DE IGUATU
3 de fevereiro de 2018

FIÉIS LEIGOS: SUJEITOS NA IGREJA E NO MUNDO

No Ano do Laicato, queremos saber tudo sobre leigos e leigas na Igreja e no mundo. O termo vem do grego. Significa do povo ou popular. Na compreensão sobre a Igreja, significa membro do novo Povo de Deus, inserido pelo batismo, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Consequentemente, o fiel leigo é membro do Corpo Místico de Cristo e templo vivo do Espírito Santo que o santifica, tornando-o filho ou filha de Deus em Cristo e herdeiro da glória celeste. Por isso, não é só objeto de reflexão, mas é sujeito e promotor de ações, na corresponsabilidade comum ou, como se diz hoje, no protagonismo da Igreja inteira.

Desde as águas do batismo e a unção da crisma, os leigos e leigas participam do tríplice múnus de Cristo: profeta, sacerdote, rei ou pastor. Daí deriva a corresponsabilidade dos mesmos na vida da Igreja. Pelo apostolado, com dons, carismas, talentos, em ministérios e serviços, o laicato contribui na construção do Reino de Deus, na Igreja e desta para o mundo.

O Documento da CNBB 105, em referência ao Ano do Laicato, afirma a importância de se compreender o cristão leigo como sujeito eclesial, enquanto possuidor de direitos e de deveres. Ser sujeito, na prática do dia a dia, é: “ser maduro na fé, testemunhar amor à Igreja, servir os irmãos e irmãs, permanecer no seguimento de Jesus, na escuta obediente à inspiração do Espírito Santo e ter coragem, criatividade e ousadia para dar testemunho de Cristo” (n.119). Sobretudo, na santidade. Há muitos santos e santas leigos, inclusive, mártires.

Como sujeito no mundo, o fiel leigo, católico e católica praticantes, realiza sua vocação cristã.  Seu testemunho é de importância vital para a obra de Cristo. É fermento no mundo. Ocorre na família, nos ambientes secularizados, no trabalho e no lazer, na política e, enfim, no projeto de uma sociedade justa, pacífica e igualitária. Exerce o tríplice múnus profético, sacerdotal, e, sobretudo, régio. Pelo múnus régio, ordena toda a realidade terrestre ao reinado de Cristo, através do seu trabalho, da sua profissão entre outras atividades.

O Ano do Laicato, que estamos vivenciando, favorece a compreensão da inserção dos fiéis de Cristo, na linha da renovação do Concílio Vaticano II e dos últimos documentos oficiais, tanto pontifícios quanto do episcopado nacional. São muitas as dimensões do laicato e as expressões de sua presença. Hão de ser valorizadas e renovadas para o bem do Corpo da Igreja e em prol do mundo, desde as Comunidades Eclesiais até as Associações e Movimentos, passando pelas antigas Confrarias e Irmandades e as novas expressões comunitárias ou associativas. 

Ponto sugestivo no referido Documento é Maria. Ela é vista pelo olhar de leiga: esposa, mãe, viúva e trabalhadora. Ela é a Filha de Sião, ou seja, membro do Povo de Israel, povo da aliança e da promessa. Como tal, viveu a espiritualidade bíblica, tão bem resumida no Magnificat, que se tornou a oração de toda a Igreja. Devido à sua relação íntima com o plano da nossa salvação, sendo mãe do Redentor e esposa do Espírito Santo, ela é, também e acima de todos, membro proeminente do Corpo Místico de Cristo. Portanto, ela é conosco membro da Igreja e, acima, nossa mãe. Aliás, o Papa já disse que a pessoa mais importante na Igreja é mulher.

 Precisamos conhecer o Documento para bem vivermos o Ano do Laicato. Cabe aos párocos estuda-lo com os próprios leigos.  Maria estimula. De fato, a “reflexão sobre o perfil mariano da Igreja abre muitos horizontes e oferece luzes para maior e melhor compreensão do ser e da missão dos leigos e leigas no seio do povo de Deus. Em Maria, mulher leiga, santa, Mãe de Deus, os fiéis leigos e leigas encontram razões teológicas para a compreensão de sua identidade e dignidade no povo de Deus” (n. 115). Ela incentiva o laicato a ser “sal da terra”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *